A educação é um processo histórico-cultural-político, condição fundamental do fazer-se humano, e figura, por isso, no plano global como direito humano. Toda educação leva em conta a referência de ser humano que se pretende formar e o modelo de sociedade que se pretende construir. Por ser sempre um processo intencional de orientação dos sujeitos, não se isenta das relações de poder, podendo cumprir tanto um papel alienador − conformador ou deturpador da realidade − quanto de emancipação dos sujeitos nela implicados. O ser humano tem vocação ontológica para superar sua incompletude, seu inacabamento, que consiste na busca do “ser mais” (Paulo Freire). Porém, tal vocação não pode realizar-se no isolamento individualista, mas somente na comunhão e solidariedade.

A educação Marista, pelo seu caráter cristão, necessariamente concebe a educação como um processo emancipador, amplo, contínuo, integrado ao cotidiano, que correlaciona fé, cultura e vida. Trata-se, portanto, de uma dimensão vital presente em todas as áreas de atuação do Grupo Marista, tanto nas relações internas – interpessoais ou profissionais − quanto nas relações com a comunidade – crianças e jovens, famílias, clientes e parceiros.

Missão Educativa Marista assevera a que “a educação, no seu sentido amplo, é o nosso campo de evangelização: nas instituições escolares, em outros projetos pastorais e sociais e nos contatos informais. Em todas essas situações, oferecemos uma educação integral, elaborada a partir de uma visão cristã da pessoa humana e do seu desenvolvimento.” Para tanto, não se exime de garantir um processo sistemático de formação de educadores cristãos competentes e comprometidos, que vislumbram a dignidade humana, educando o ser humano também para a transcendência (Papa Francisco, Discurso aos participantes do Congresso Mundial de Educação, 2015).