Entre os dias 19 e 25 de julho, cerca de 25 Irmãos, Leigas e Leigos estiveram reunidos na cidade de Rondinha (PR), na Casa de Retiros Santo André, para a segunda edição do Retiro Irmãos e Leigos. Participaram colaboradores, ex-colaboradores Maristas, fraternos do Movimento Champagnat da Família Marista (MChFM) e participantes do Laicato Jovem.

Organizado pelo Setor de Vida Consagrada e Laicato (SVCL) do Grupo Marista, o Retiro teve como tema “La Valla Casa de Luz – leitura dos valores Maristas”. Com a mediação do professor, teólogo e coordenador do Mestrado e Doutorado em Teologia da PUCPR, Alex Villas Boas, os Maristas de Champagnat puderam realizar uma experiência profunda com Deus. Ele congregou o conhecimento de várias áreas do saber, como literatura, filosofia, economia e teologia, com a capacidade de refletir sobre a vida humana e os processos espirituais.

2017-122_DSC1286

A organização dos dias de retiro partia da ideia da casa de La Valla: ir ao porão, como tempo pessoal de silêncio e interioridade; depois sentar em torno da mesma mesa em grupos de partilha; em seguida, subir ao piso superior e fazer a oração comunitária, que olha para a missão e os desafios que possam surgir.

2017-122_DSC1128 cópia

O Retiro resumiu-se como um tempo forte de silêncio e oração, mas também de comunhão e de comprometimento com o seguimento de Jesus e com a missão Marista. Confira abaixo o depoimento do mediador, Alex Villas Boas, e de alguns participantes do Retiro:

“A proposta do retiro foi ler a experiência da São Marcelino Champagnat à partir das classificação da tradição mística cristã, das vias purgativas, iluminativas e unitivas correlacionado com temas da espiritualidade marista (presépio, cruz, altar e cidade) e rezando à partir da provocação dos valores maristas (Espírito de família, Presença, Solidariedade, Interculturalidade, Cruz como falibilidade e impossibilidade, Simplicidade, Alegria, Amor ao trabalho e Trabalho do amor, para concluir retomando os aspectos de Espírito da família após o percurso feito. Procuramos no silêncio, como espaço para ouvirmos o que as palavras não podem dizer, identificar os sinais de sentido em nossa história como marcas do amor de Deus em nosso caminho, e acolher as sementes da luz de esperanças que plantamos nas brechas das impossibilidades, confiando que Deus trabalha sempre para nos salvar de nossas impotências e fazer presente o Reino de Deus no mundo. Para Champagnat, a educação é uma dimensão soteriológica do Evangelho” (Alex Villas Boas, professor, teólogo e coordenador do Mestrado e Doutorado em Teologia da PUCPR)

“No embalo do Espírito, os Maristas de Champagnat se encontraram em torno das temáticas do “Ano La Valla – Casa de Luz” numa jornada conjunta de recoleção espiritual.  Um retiro é sempre experiência de Deus que nos faz compreender e perceber a real dimensão de qual é “a largura, o comprimento, a altura e a profundidade do conhecimento e do amor de Cristo-Jesus, que supera qualquer conhecimento, tornando-nos repletos da plenitude divina”, cf. Ef 3,18-19. Ademais, em um Retiro há sempre uma chamada admirável de Deus que nos convoca e nos congrega a recriar a vida e torná-la valiosa para nós mesmos, para a convivência com os outros no dia a dia, para nossa ação junto aos destinatários da missão, para a animação das nossas famílias, comunidades e instituições e, notadamente, para queimá-la em sonhos que, paulatinamente, se tornam realidade a serviço de Deus que nos chamou e da missão que nos confiou”. (Benê Oliveira, fms)

“Quando cheguei aqui no Retiro, não procurava respostas, apenas vim de coração aberto, e aqui encontrei renovação para minha fé e resolução para muitas coisas que há tempos estavam guardadas no baú. Mexer em tudo isso traz paz ao coração, e me sinto renovada para seguir caminhando”. (Michelle L. Csiszer, pastoralista do Centro Educacional Marista Ecológica)

Este retiro é uma oportunidade de se conhecer melhor, de se aproximar de Deus, de deixar o Espírito se manifestar em nossa vida. (Sílvio Raulff Wunsch, ex-colaborador do Grupo Marista)

“Repensei minha vida. Vislumbrei novos caminhos de re-encantamento espiritual”. (Ana Tereza Naspolini, Afiliada Marista)

“Não tenho dúvidas que somos privilegiados pela semana que tivemos em Rondinha. Em meio a correria que a vida cotidiana nos exige, ter a oportunidade de parar, rezar e contemplar a própria história é um privilégio de poucos. O tempo vivido lá possibilitou uma caminhada entre luzes e sombras. Foi fundamental ter tido o tempo necessário para mergulhar em espaços obscuros e frágeis que existem em cada um, mas também, fazer emergir, de fato, aquilo que é importante, essencial em nossas vidas. Foi uma caminhada de encontros e reencontros, onde, em muitos momentos, o medo e a dúvida pareciam até ser maiores, mas que, na medida que olhamos com mais crença pra dentro de nós, percebemos que na essência do ser humano se encontra as melhoras respostas e artifícios para continuar caminhando, acreditando e recomeçando”. (Ana Carolina Dias – Setor de Pastoral)