Entre os dias 11 e 12 de junho cerca de 600 jovens de diversas Unidades do Grupo Marista estiveram reunidos em Curitiba, no Colégio Marista Santa Maria, para participar da III Jornada Provincial Marista das Juventudes. O evento foi sonhado, organizado e executado por uma equipe inteiramente jovem, composta por ex-alunos/educandos, colaboradores e Irmãos Maristas, sob o acompanhamento do Setor de Pastoral. A equipe propôscomo tema o Bicentenário Marista, e o lema escolhido foi “Quando promessas se tornam propósitos, o mundo se transforma”, remetendo diretamente ao Ano Fourvière, segunda etapa de preparação para a celebração do Bicentenário do Instituto Marista.

O evento iniciou às 9h com um espetáculo de dança e dramatização elaborado por jovens de Jaraguá do Sul, apresentando vários momentos da história de São Marcelino Champagnat. Em seguida, os participantes puderam conferir a presença institucional de representantes do Grupo Marista, dentre eles Everson Caleff Ramos, diretor do Colégio Marista Santa Maria, que deu as boas vindas aos participantes e comentou a respeito da importância de valorizar a tríade Montagne, Fourvière e La Valla na preparação para o Bicentenário. Em seguida, o presidente do Grupo Marista, Ir. Délcio Afonso Balestrin, salientou que os jovens Maristas são os principais responsáveis por levar adiante o sonho de Champagnat e que o nosso fundador deve ser para sempre uma inspiração.

Este momento também contou com a fala da Francine dos Santos Grosso, jovem Marista representante da Comissão Provincial de Juventudes. De acordo com ela, o encontro é o momento propício para a interação entre jovens Maristas das diversas Unidades em torno do objetivo comum de refletir sobre o Bicentenário. “Precisamos lembrar que somos frutos de uma promessa feita por Champagnat em Fourvière e que a continuidade do Instituto depende de nós”, disse.

Logo após a fala da jovem, o Ir. Benê Oliveira (Vice-Provincial) destacou que a ânsia de transformar o mundo, própria da juventude de hoje, também estava presente em Marcelino Champagnat, quando ele fundou o Instituto Marista. O Ir. João Batista, Diretor Institucional do Setor de Pastoral, trouxe algumas frases de Champagnat que, para ele, refletem a essência da Pastoral Juvenil Marista (PJM): “tornar Jesus Cristo conhecido e amado”, “todas as dioceses do mundo estão em nossos planos” e “não posso ver uma criança sem sentir o desejo de fazer-lhe compreender quanto Jesus a amou”. Ele valorizou o trabalho realizado até o momento e comemorou o fato do Grupo Marista proporcionar um evento tão importante feito por jovens e para os jovens.

Ainda na parte da manhã houve uma mesa redonda, que reuniu representantes dos Quatro Ramos da Família Marista. A Irmã Marista, Maria Herosina, contou um pouco sobre a história da sua congregação internacional e comentou que atualmente as irmãs estão no Brasil realizando trabalhos voltados a crianças e jovens, sobretudo os mais empobrecidos. De acordo com ela, a essência do trabalho delas é pensar, julgar, sentir e agir como Maria.Este momento também contou com a presença do Pe. Roberto Medeiros, padre Marista, que resgatou elementos de sua história, também fruto da Promessa de Fourvière. Ele comentou que hoje os padres maristas tem como objetivo ser instrumentos da misericórdia de Deus no mundo. A mensagem que ele deixou aos jovens remete a importância de sonhar: “Não deixe de sonhar e em cada sonho, caia na real naquilo que pode ser um ideal para a própria vida; a partir do ideal, crie um projeto de vida dentro dos valores do evangelho e que contemple o amor ao próximo”. Além disso, parafraseando Antoine de Saint-Exupéry, ele disse aos jovens que: “tu te tornas eternamente responsável pelo M de Marista que carregas em teu nome”.

O Ir. Ivo Strobino representou os Irmãos Maristas na mesa redonda. Ele partilhou curiosidades históricas da Promessa de Fourvière, como o fato de que a escadaria da Colina de Fourvière tinha 800 degraus, e destacou elementos da simbologia desta Promessa, que foi feita publicamente e no alto de uma colina; mais próxima de Deus. Após a fala do Irmão, um jovem marista falou sobre o ramo das Irmãs Missionárias Maristas. Como elas não tem representatividade no Brasil e estão atuando em lugares longínquos do planeta em missão, encaminharam um vídeo institucional, que abordou o trabalho que realizam com indivíduos socialmente vulneráveis. De acordo com a jovem Ana Luiza Leite da Silva, do Colégio Marista Pio XXII, de Ponta Grossa, foi bem interessante assistir à mesa redonda sobre os Quatro Ramos. “A Família Marista é muito maior do que eu imaginava e eu gostei bastante de saber que existem padres, irmãos, irmãs e irmãs missionárias que ajudam muitas crianças e jovens pobres pelo mundo”, disse.

No período da tarde, houve um momento de talk show. Foram convidados alguns profissionais para abordar, sob diversos olhares, a temática do protagonismo e do empoderamento de grupos sociais. A jornalista Michelle Bravos inaugurou o espaço, falando de uma experiência que viveu com refugiados no Oriente Médio. Em seguida, houve a explanação de Cláudia Pacheco, comunicadora social e especialista em direitos humanos.. Ela falou um pouco sobre a ressignificação da identidade feminina com mulheres em situação de vulnerabilidade social (mulheres encarceradas). Por fim, os jovens puderam conferir a fala de Jucie Parreira que, a partir da metáfora da flecha, conseguiu tocar os participantes com a ideia de que o alvo define o tipo de flecha e de que é importante que cada um saiba onde quer chegar.

De acordo com o jovem Austin Christopher, do Colégio Marista Glória, de São Paulo, a discussão sobre protagonismo e transformação social foi muito importante durante a Jornada. “Nós jovens somos responsáveis pelo futuro; pode ser que amanhã um de nós esteja sentado na cadeira de Presidente do país ou de Prefeito de uma metrópole ou até mesmo no comando de uma grande empresa, por isso precisamos refletir sobre estas temáticas”, disse.

Logo em seguida, os participantes tiveram a difícil tarefa de escolher um dos onze workshops relacionados à protagonismo juvenil para participar. Nesse momento, os jovens permaneceram em grupos menores e, sob a orientação de um mediador, puderam trabalhar a temática escolhida. Foram ofertados workshops de diversas modalidades, tais como: ressignificação do feminino; teatro de bonecos; instrumentos recicláveis; expressão teatral; clown; voluntariado; e outros. Para fechar o primeiro dia de evento, à noite, após o jantar e a festa junina que foi animada pela banda “Missão Boa Nova” (composta por de jovens de Maringá), houve uma encenação teatral intitulada “Sal e Luz”, que demonstrou o modo como Marcelino Champagnat fez a Promessa aos pés de Nossa Senhora de Fourvière. Após, ocorreu um momento individual dos jovens se comprometendo com o futuro do Instituto Marista. A última atividade foi a Adoração ao Santíssimo, conduzida pelo Pe.Moisés.

O segundo dia da Jornada

No domingo, o dia começou com a Celebração Eucarística. Nela, os jovens que participarão do Encontro Internacional de Jovens Maristas (EIJM), em Lyon, receberam uma bênção especial e foram enviados em missão, com a responsabilidade de representar todos os jovens da Província. A seguir, realizaram-se duas apresentações culturais.

A primeira delas contou com a participação da cantora mirim Rafa Gomes, ex-participante do último programa The Voice Kids e aluna do Colégio Santa Maria. Na ocasião, os jovens puderam conferir a interpretação da menina para algumas músicas da MPB e fazer diversas perguntas sobre a sua carreira artística.

Em seguida, houve a segunda apresentação cultural. Os jovens contaram com a presença da banda circense “O Teatro Mágico”, que interpretou canções clássicas de seu repertório, misturadas às intervenções sociais proferidas pelo seu vocalista, Fernando Anitelli. “A vingança é boa quando convém; se alguém te ama, ame-o também”, foi uma das inúmeras mensagens deixadas por Anitelli aos jovens Maristas.

A III Jornada Provincial foi de extrema importância para os jovens Maristas. Maria Cecília Reis, Lucca Luigi e Giulia Bonatto, do Colégio Marista Santa Maria, gostaram muito da experiência, pois puderam ter contato com jovens de outras unidades maristas. “Nós percebemos que não estamos sozinhos no trabalho que é feito pela PJM; agora seguimos com mais força para continuar lutando pela transformação da sociedade em um lugar melhor para viver, sempre fazendo o bem ao próximo”, afirmam. Esta é a ideia que permanece com eles neste momento tão importante de celebração do Bicentenário do Instituto Marista e esperança de um “novo começo”.